Saraquá?

Mas afinal o que é “saraquá”?!

Saraquá é uma ferramenta antiga de semear vida nova!

Saraquá 1

Este é um nome indígena que se refere a uma ferramenta de plantio usada pelos índios para abrir um pequeno buraco na terra, para logo em seguida plantar alguma semente. Constituía-se basicamente de uma haste de madeira com uma ponta para furar a terra.

Posteriormente, o homem branco adaptou essa ferramenta de modo que além de abrir as covas na terra ela também ganhou um compartimento para sementes, que automaticamente caem, uma por uma, nas covas recém abertas; graças a um ponto articulado que realiza um movimento como o de uma tesoura.

Saraquá 2

Esta ferramenta foi muito usada por agricultores familiares, principalmente para o plantio de milho e feijão, entretanto atualmente vem perdendo espaço para tratores agrícolas de produtividade muito superior, porém de alto custo de aquisição, alta dependência de petroquímicos, alto impacto ambiental (compactação do solo, emissão de poluentes, fabricação dispendiosa, etc.), resultando em um custo/benefício inferior.

Nós estamos resgatando esta ferramenta, que simboliza a nossa atividade no campo, mas simboliza também o resgate de uma forma saudável de vida e de cultivos, que vem se perdendo com a modernização da agricultura e das cidades. Estamos nos referindo à reconstrução de um cenário com:

  • Diversificação dos cultivos na propriedade (estabilidade ambiental);
  • Utilização de mão de obra local e familiar (cooperação);
  • Utilização de recursos locais e naturais (baixo impacto ambiental);
  • Segurança alimentar e nutricional para o agricultor e consumidores (alimentos limpos, diversificados e com regularidade);
  • Comércio local ou regional (circuitos curtos, redução de consumo energético de transporte, proximidade entre os agentes envolvidos);
  • Autonomia (baixa dependência de recursos externos à propriedade para a realização das atividades, como adubos, sementes, material para construções, etc.);
  • Manutenção da cultura e tradições regionais (costumes específicos que constituem uma identidade local, e enriquecem a diversidade de formas de vida e convívio dentro de um contexto maior).